Estudantes dos EUA inventam canudo que identifica “Boa noite, Cinderela” em bebidas

O estupro nas escolas e universidades é um problema frequente não só no Brasil, como também no mundo inteiro. Para combater essa situação, três estudantes da Gulliver Preparatory School, em Miami nos Estados Unidos, tiveram uma grande ideia em uma de suas aulas de empreendedorismo. Segundo reportagem do site BoredPanda, elas criaram um canudo com duas tiras diferentes que, quando colocado em uma bebida, é capaz de detectar vestígios das mais populares drogas de estupro, incluindo roofies (Rohypnol), ácido gama-hidroxibutírico (GHB) e cetamina (Special K). Ao entrar em contato com as drogas, a ponta do canudo fica azul.

cerebro-e-coluna_blog_20170926_00-b

O canudo foi produzido com duas fitas que ficam azuis ao entrar em contato com as drogas do estupro.

De acordo com o Bureau of Justice Statistics (departamento dos Estados Unidos que realiza relatórios sobre crimes no país), estupros em festas estão entre o maior número de casos da violência. Geralmente ocorre entre os estudantes universitários, sob os sintomas de consumo de álcool ou drogas, o que torna o abuso mais acessível. Um dos grupos para qual o canudo é mais direcionado são mulheres com idades entre 16 e 24 anos.

As meninas Victoria Roca, Susana Cappello, and Carolina Baigorri sabem que a invenção não vai acabar de vez com os estupros nas universidades, mas têm esperança de reduzir as situações perigosas.

Já existe uma equipe cuidando do processo de patentear o canudo, para que elas possam colocar à venda. Para financiar o empreendimento, eles estão pensando em uma campanha de crowd-funding, que funciona como um financiamento coletivo.

cerebro-e-coluna_blog_20170926_00-c

As meninas produziram o canudo em uma de suas aulas de empreendedorismo.

Assista a apresentação da invenção em vídeo:

deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.